Como custear a escolaridade dos filhos?

Duas coisas vão garantir o sucesso de uma empreitada de longo prazo como essa: sua capacidade de poupar e de investir.

Poupança: É preciso reconhecer que alguns pais, principalmente os que têm mais de um filho, ao perceberem o tamanho do esforço que terão que fazer para custear os estudos da prole, simplesmente desistem. Ficam tão alarmados que evitam até mesmo pensar no assunto. Espero que não seja este o seu caso porque você verá que não há, de fato, razão para isso. Mesmo assim é conveniente que sejamos realistas: a maior parte dos pais não poderá - ou não conseguirá - poupar toda a quantia necessária para custear a faculdade dos filhos.

Tomando esse fato como princípio, você deve se concentrar em criar para sua família uma estratégia financeira que seja possível de ser cumprida. Que tenha, digamos assim, o tamanho exato de suas pernas. Não importa, por exemplo, que seja viável poupar apenas 50 reais a cada mês. Lembre-se disso: qualquer quantia poupada é melhor que nenhuma e o quanto antes você se organizar para começar a poupar para a educação dos filhotes, melhor.

Não perca de vista, além disso, o fato do poder do juro acumulado ser extraordinário. É graças a ele que, se você começar a contribuir cedo, quando seu filho tiver por volta de 4 anos, desembolsando 100 reais mensais, aplicado-os em alguns dos planos de previdência que existem no mercado, depois de 14 anos você terá acumulado, aproximadamente, 23 mil reais. Justo quando seu filho mais vai precisar de sua ajuda. Outra coisa: além dos atrativos dos juros, outra das vantagens desses planos é a possibilidade de dedução do valor no Imposto de Renda. Como você vê, tendo alguma persistência e cuidando de não comprometer seu orçamento, custear a faculdade dos filhos vai ser menos complicado do que parecia a princípio.

Investimento: Sua tolerância ao risco e características de personalidade é que vão determinar a modalidade de investimento que mais combina com você. De toda forma, saiba que o investimento ideal é aquele que vai misturar a segurança de um investimento conservador - como o de renda fixa - com uma pitada de risco, como o do fundo de ações.

Como regra geral você não deve perder de vista o seguinte: quanto menos tempo você tiver para investir, ou seja, quanto mais próxima estiver a ida dos filhos para a faculdade, seus investimentos deverão ser tão conservadores quanto possível. Assim, se você for precisar do dinheiro em dois ou três anos o melhor é evitar, de todos os modos, aventuras de grande risco.